diaspora-silenciosa-pedro-caetano-obras_I3A6926.jpg

2013 - 2016

‘Ranhuras’ tratam do elogio ao sonho. É uma busca por uma linguagem plástica que materialize a liberdade de pensar e o direito ao delírio.

É também uma busca pelo retrato do sonho e do desenho de uma paisagem em que a fluidez interpretativa tenha voz própria.
É uma linha tênue em que a abstração se revele por meios figurativos.
Uma cor que figure abstrações, não se trata de busca por verdades, mas antes de tudo de intuições verdadeiras.
Como diria Dominique Ingres, ‘a exatidão não é a verdade’.
Não busca representar, busca apenas tornar visíveis outras dimensões possíveis.

Figuras humanas, cores e linhas figuradas.
O nome ‘Ranhuras’ advém inicialmente do desejo de encontrar um abraço entre o desenho e a pintura que vinha fazendo e também pela técnica das raspagens, a qual vem sido utilizada criando sulcos na superfície da tela.
Ranhuras é uma busca pela essência do que não está na superfície.
Até porque trata-se de uma pintura feita de camadas, em que o que não é óbvio ‘surge’ pelas sucessivas raspagens em busca do que foi esquecido e renegado a segundo plano.

 

Pedro Caetano 

2015

Série Azulejo